Vigia de Nazaré - Pará - BR.

Vigia de Nazaré - Pará - BR.
400 Anos de fundação

terça-feira, 29 de novembro de 2016

A COMPETIÇÃO VIROU UNIÃO

Da competição a união
O que era para ser uma disputa, ou melhor, competição, se transformou em uma única união.
Esta é a maior tragédia na história do mundo de uma equipe de futebol que aconteceu neste início de terça-feira, de 29 de Novembro de 2016, quando uma aeronave tipo RJ85 e matrícula CP2933 de fabricação inglesa com jogadores da Chapecoense a Bordo caio com 81tripulantes, sendo 72 passageiros e nove membros da tripulação.
A aeronave deveria ter pousado em Medellín às 21h33 (0h33 pelo horário de Brasília), mas perdeu contato com a torre de controle quando sobrevoava o município de La Ceja. O plano inicial era que o voo fretado pelo time sairia do aeroporto de Guarulhos, mas a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) não autorizou, pois afirmou que o acordo com a Bolívia, país originário da companhia aérea Lamia, não prevê operações como a solicitada. Com isso, o time embarcou de Guarulhos, às 15h15 de segunda-feira, em um voo comum da companhia Boliviana de Aviación até Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, onde embarcou no voo fretado da Lamia, rumo a Medellín.

O avião transportava a delegação do clube de futebol Chapecoense sofreu um acidente na madrugada desta terça (29/11), quando se aproximava do aeroporto José María Córdova, na cidade de Medellín, na Colômbia. A aeronave, da companhia boliviana LAMIA, tinha 81 pessoas a bordo, sendo 72 passageiros entre membros da equipe e jornalistas, e nove membros da tripulação. Até o momento, o Governo colombiano afirma que seis pessoas foram resgatadas com vida. O jogador Alan Ruschel foi a primeira vítima a chegar no hospital de La Ceja, a localidade mais próxima do ocorrido, segundo relato da agência EFE, para onde parte dos feridos foi transportada. Segundo comunicado da Aeronáutica Civil Colombiana, os seis sobreviventes são os jogadores Alan Ruschel, Neto e Follmann, o jornalista Rafael Henzel, o técnico da aeronave Erwin Tumiri e a comissária de bordo Ximena Suarez.
A equipe da Associação Chapecoenese de Futebol, de Chapecó (SC), viajava para disputar nesta quarta-feira o jogo de ida da final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional – seria a partida mais importante da história do time catarinense. A equipe local manifestou solidariedade através das redes sociais, e a Conmebol divulgou nota informando a suspensão da final.
O mundo todo conectado a um só sentimento. Este episódio não combina, nem um pouquinho, com a alegria dos estádios de futebol. Esta tragédia inexplicável causou comoção em todo o planeta. O mundo está de luto, o futebol está de luto, a imprensa está de luto.


ICabano ago/set 16