Vigia de Nazaré - Pará - BR.

Vigia de Nazaré - Pará - BR.
400 Anos de fundação

domingo, 16 de outubro de 2016

INDEPENDÊNCIA

Independência do Brasil!
Tudo começou quando D. Pedro negou ao chamado da Coroa Portuguesa que exigia seu retorno para Portugal, em 9 de janeiro de 1822, quando disse: - Diga ao povo que Fico.
Esta atitude foi tomada em virtude de vários motivos, entre eles, conquistar a autonomia política; altos impostos; tentativa da Coroa Portuguesa em recolonizar o Brasil.
Logo após o Dia do Fico, D. Pedro I tomou várias medidas com o objetivo de preparar o país para o processo de independência. Organização a Marinha de Guerra; Convocou uma Assembleia Constituinte; Determinou o retornou das tropas portuguesas, além de exigi que todas as medidas tomadas pela Coroa Portuguesa deveriam, antes de entrar em vigor no Brasil, ter a aprovação de D. Pedro.
No dia 7 de setembro de 1822, proclamou a INDEPENDÊNCIA DO BRASIL. A partir desta data o Brasil deixou de ser uma colônia de Portugal. O grito de “Independência ou morte” aconteceu às margens do riacho do Ipiranga em São Paulo, sendo coroado imperador do Brasil em dezembro do mesmo ano.
 A data e é lembrada e comemorada todos os anos, por nós brasileiros, no dia 7 de setembro. A data mobiliza o país, e tem a participação especial das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica), também Corpo de Bombeiros entre outras instituições da esfera Federal e Estadual.
Conhecido como “Dia da Raça” o desfiles das escolas de ensino municipal, estadual e ensino privado é realizado no dia cinco de setembro, nas grandes avenidas das cidades, em todo o Brasil, antecedendo o 7 de setembro.
No município de Vigia o desfile das escolas da rede municipal foi realizado na quinta-feira (06), que ocorreu depois das cinco da tarde, por causa do sol que nesta época é muito intenso.
No dia 7, as escolas de Ensino Médio. Destaque para a Escola Tecnológica de Vigia, inaugurada no ano de 2013. A Escola pública Estadual, pela primeira vez abrilhantou na avenida, com mais de 1500 alunos, trouxe o tema da “Preservação do Planeta”.

Um fato importante, que chamou a atenção neste ano, foi a ausência das escolas estaduais Ester Nunes Bibas; Barão de Guajará e Castilho França que não participaram do desfile.
A reportagem do INFRMATIVO CABANO foi até estas instituições ouvir seus diretores:
Ester Nunes Bibas – Tem aproximadamente 800 alunos, não participa do desfile do 7 de setembro há dois anos consecutivos. Um dos motivos são os custos que a Escola não dispõe. Dias antes do Desfile Escolar, a diretoria da Escola reuniu com os pais e alunos para fazer um mutirão de pintura, da quadra de esporte e do muro, com o objetivo de realizar os Jogos Estudantis em comemoração a semana da Pátria.
O material de pintura foi doado pelos próprios pais e alunos, enquanto os troféus, bolas e medalhas a diretoria da referida escola recebeu como doação de empresas da cidade de Castanhal-Pará. O evento esportivo encerrou no dia 15 de setembro em grande estilo. Decidimos investir na Escola e atividades escolares que participar do desfile, disse a diretora.
Barão do Guajará – A Escola mais antiga do Município, com mais de 600 alunos, não tem banda musical própria, e para o desfile de 7 de setembro precisa pagar uma média de mil reais por uma banda de músicos, além disso os recursos não cobrem a despesa para que possamos mostrar um espetáculo no desfile, justificou a diretora Nildirene.
A data cívica foi antecipada pela comemoração do aniversário da Escola, que completou 115 anos de fundação, além disso, realizamos as atividades dos Jogos Internos, que aconteceu de 30 de agosto a 2 de setembro. Com isso o Conselho decidiu usar os recursos com as atividades internas da Escola, em vez, da participação no desfile de sete de setembro, concluiu.

Castilho França – A escola atende na maioria, jovens da zona rural de Vigia, hoje com cerca de 800 alunos. Não é diferente das outras escolas de ensino médio, pouco se tem para manter as instalações e funcionários. A reportagem não obteve mais detalhes.

É importante frisar que a muitas das escolas brasileiras não possuem dependências com acessibilidade aos portadores de deficiências, biblioteca, laboratório de informática, laboratório de ciências, sala de leitura, quadra de esportes coberta, sala de atendimento especial, entre outros.