Vigia de Nazaré - Pará - BR.

Vigia de Nazaré - Pará - BR.
400 Anos de fundação

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Imprensa

EDITORIAL MAR/ABR 17

Começo este editorial falando do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, ocorrido no dia 3 de maio. Atualmente vivemos na Era do Conhecimento, em que o domínio de processos e informações agrega grande valor nas relações, tanto pessoal quanto profissional. O Quarto Poder, todo cidadão conhece. Consegue a todo o momento, pressionar e ajudar na elucidação de fatos importantes, retratada através do rádio, televisão e jornal.

No contexto global, observamos o mundo parecer de “cabeça para baixo”, sem rumo, sem direção. Como no filme: “Tá todo mundo louco”, dirigido por Jerry Zucker, uma corrida atrás de milhões. Diferente desse, aqui no Brasil muitos políticos e/ou não precisa participar de tal corrida. Sentados mesmo, conseguem “embolsar” milhões.
No próximo ano acontecem as eleições para deputados estaduais e federais, governador, senador e presidente. Contudo, as articulações já vêm se definindo. Em uma verdadeira “corrida”, como citei anteriormente. E as visitas dos pressupostos, já começam a chegar. Mas olhem este momento com delicadeza, e muita atenção. Pois, graças a IMPRENSA todos são informados da crise destrutiva que assola o País, sendo movido pelo pânico da corrupção, vestido de escândalos, com direito a prisão domiciliar, joias, carros importados e e t c. 

Mas acredito que ainda tem um jeito, uma saída: a Educação é o alicerce de um país emergente como o Brasil, que necessita descobrir em cada brasileiro um dom e fazer com que esse dom seja para o bem dessa nação, nação essa que não se cansa de clamar por justiça, que ainda vota em um candidato e mantém nele a esperança de que esse candidato olhe para quem o elegeu, e só conseguimos isso tudo, se tentarmos pressionar através dos meios de comunicação, e da força do povo.

domingo, 7 de maio de 2017

As chuvas

A forte chuva que cai em Vigia de Nazaré nos primeiros dias de maio. está dando o que falar. Muitas ruas e avenidas no centro da cidade,  ficam assim totalmente submersas. Uma das causas são os bueiros entupidos. Isso dar-se ao volume de lixo que entra nos esgotos, impedindo assim a passagem da água da chuva.


Este problema passou a ser algo comum na vida da população. Infelizmente, todo o ano é a mesma coisa: entre os meses de dezembro e junho, os noticiários são tomados por problemas relacionados com a elevação dos cursos d´água, principalmente com as chuvas e a inundação de casas e ruas, desencadeando uma série de tragédias que, quase sempre, poderia ser evitada.





A começar com a participação ativa da população, que deve se responsabilizar com os resíduos sólidos, produzidos nos lares.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Decepção

A decepção é algo inesperado. Um acontecimento brusco e grosseiro. Frustração, tristeza, baixa estima são as causas de imediato. Não posso me sentir inútil ou desnecessário. Mas sinto-me traído,  Como se uma pedra caísse na minha frente, me impedindo de seguir adiante.
não que seja ma interrupção dos teus objetivos, trabalho, jornada, mas uma  parada mais que repentina,.. no teu caminho.
Triste acontecimento. Mexe com a liberdade da emoção.

sábado, 1 de abril de 2017

ICabano eletronico

ICabano jan 17

<a href="http://www.youblisher.com/p/1803125-ICabano-Jan-17/" target="_blank"><img src="http://www.youblisher.com/files/publications/301/1803125/200x300.jpg" alt="ICabano Jan 17"></a>

quarta-feira, 8 de março de 2017

MULHER

Mulher


Antigamente, as mulheres não podiam votar, não eram valorizadas pelo seu trabalho e ainda por cima recebiam um salário menor que o dos homens, mesmo que fizessem a mesma coisa. E quando chegavam em casa, ainda tinham que cuidar dos filhos e marido.
No início do século passado, muitas mulheres que queriam estudar, aprender, ter mais conhecimento, ouviam frequentemente que o estudo era um desperdício de tempo. O estudo para uma mulher não serviria para nada, pois sua função na sociedade era “prendas do lar”, uma boa mãe e esposa.
A primeira onda feminista se preocupava com a instalação da igualdade de direitos entre homens e mulheres. O feminismo foi consolidado como um discurso de caráter intelectual, filosófico e político, e tinha como objetivo romper os padrões tradicionais que oprimiam as mulheres ao longo do tempo.
Mulheres eram proibidas:
- De ter cartão de crédito
- De participar de um júri
- Cuidado com o traje de banho
- Não tinham direito a licença maternidade
- De usar contraceptivo
- De jogar futebol
- De fumar em locais públicos
- De votar
- De ter direito para escolher um parceiro
Entre outros.
Hoje a figura feminina já ocupa lugar no seio da sociedade com maestria, mas ainda falta mais.
Embora muitos avanços tenham sido alcançados com a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006), mesmo assim, contabilizamos 4,8 assassinatos a cada 100 mil mulheres. Colocando o Brasil no 5º lugar no ranking de países nesse tipo de crime.
Homicídio de mulheres negras aumenta 54% em 10 anos. Violência sexual no Brasil: 89% das vítimas são do sexo feminino.
O serviço telefônico Ligue 180 realizou 749.024 atendimentos em 2015. Desse total, 41,09% corresponderam à prestação de informações; 9,56%, a encaminhamentos para serviços especializados de atendimento à mulher; 38,54%, a encaminhamentos para outros serviços de teleatendimento (190/Polícia Militar, 197/Polícia Civil, Disque 100/SDH).
Em comparação a 2014, houve aumento de:
44,74% no número de relatos de violência
325% de cárcere privado (média de 11,8/dia)
129% de violência sexual (média de 9,53/dia)
151% de tráfico de pessoas (média de 29/mês)

Estima-se que uma em cada cinco mulheres declara já ter sofrido algum tipo de violência; dessas, 26% ainda convivem com o agressor.

Para este Dia, devemos refletir que a Mulher continua sua luta pelos seus totais direitos e igualdade social. Todavia são merecedoras e heroínas, pois oque seria do mundo sem a existência da MULHER?

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Carnaval Vigia 2017

Carnavigia.

Vigia de Nazaré, nordeste do Pará. É uma cidade de gente alegre. Mas, não é só pelo carnaval, não! São 365 dias no ano. A cidade mais antiga do Pará preserva aos 401 anos de existência, a cultura que conta a história dos primeiros moradores já viventes aqui. Os tupinambás, tribo indígena, nossos precursores.

Hoje na atual conjuntura, a cidade vive um dos momentos mais críticos, financeiramente falando. Mas encarando a crise e a vida do cotidiano de cada habitante, a superação é a meta. É o carnaval, momento único na intimidade de um conjunto da diversidade comunitária de um povo. Não poderia deixar de acontecer.

Tecnicamente começa o carnaval, na cidade mais antiga do Pará.
Numa consciência globalizada, em que, o financeiro “não tá de brincadeira”, o jeito e fazer conforme o vento leva.

Foi assim a abertura oficial do Carnaval de Vigia 2017.

Tá apenas começando.